O Governador do Estado do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, encaminhou nesta quarta-feira (03) um projeto de lei para a Assembleia Legislativa propondo reajuste geral de 5,09% ao funcionalismo. O anúncio foi feito logo após reunião com os deputados estaduais no Palácio Iguaçu.

Somente o impacto financeiro do reajuste será de R$ 2,1 bilhões aos cofres públicos até 2022.

Somada a outras medidas, como a contratação de novos servidores e pagamento de promoções e progressões, o Governo do Estado prevê que o aumento dos gastos com a folha poderá chegar próximo a R$ 4 bilhões.

Segundo o governador, a proposta atende um compromisso de gestão de programar a reposição, manter o diálogo e atinge um limite possível diante das dificuldades financeiras do Estado e do País.

 
Ele ressalta que há bastante tempo os técnicos da Secretaria da Fazenda e da Casa Civil estão debruçados nos dados para apresentar uma proposta.

“Esse cenário que estamos apresentando aos servidores é baseado na economia de momento. Se a economia vier a ter estímulo de até 3% de crescimento isso pode ser reajustado dentro da realidade da saúde financeira do Estado”, afirmou. “Não vamos deixar em nenhum momento a saúde financeira, maior ativo do Paraná, de lado”.

Ratinho Junior reforçou que o Estado faz um grande esforço para conceder este reajuste. Na avaliação do governador, o Paraná deve ser um dos poucos estados brasileiros, senão o único, que conseguirá conceder aumento geral na folha de pessoal neste ano, além de autorizar novos concursos públicos.

A proposta prevê o pagamento do reajuste em etapas, sendo 0,5% a partir de outubro deste ano; 1,5% a partir de março de 2020; 1,5% a partir de janeiro de 2021 e 1,5% a partir de janeiro de 2022.

Estas duas últimas parcelas ficam condicionadas ao crescimento mínimo de 6,5% e 7%, respectivamente, da receita corrente líquida em relação ao ano anterior.

O governador também anunciou a contratação, via concurso público, de quase seis mil novos servidores, com impacto direto de R$ 200 milhões ao ano.

A maior parcela é de policiais militares (2.560), professores (988), policiais civis (400), profissionais de saúde (400) e agentes de cadeia (1.269).

Também serão contratados peritos para a Polícia Científica e profissionais para a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Teatro Guaíra e para o Quadro Próprio do Poder Executivo (QPPE).

Ratinho Junior também garantiu a manutenção do programa de promoções e progressões. O benefício representa um crescimento vegetativo médio de 2,3% ao ano da folha de pagamento de ativos. Este índice significa uma despesa extra de R$ 1,3 bilhão até 2022.

Além do reajuste do salário, também serão concedidos aumentos nos valores do auxílio-alimentação, do vale-transporte e a oferta de perícia médica em oito polos do interior do Estado, que representarão um custo adicional de R$ 25,4 milhões em 2019.

Para cumprir a agenda de reajuste e novas contratações, sem ultrapassar o limite com as despesas de pessoal ativo e inativo imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal, o Estado prevê o fim da licença prêmio.

Serão preservadas as licenças já adquiridas e instituído um programa para indenizar ou assegurar o usufruto destas.

 

Fonte: https://www.diariooficialdf.com.br/

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00

MAIS DA CATEGORIA Notícias

Notícias

Equiparação entre as categorias apresentada ao ministro da Economia deve ocorrer até setembro de 202

Notícias

Dos 28 conselheiros, os 15 que estavam presentes na reunião extraordinária votaram pela rejeição


{TITLE}

{CONTENT}

{TITLE}

{CONTENT}
Precisa de ajuda? Entre em contato!
0%
Aguarde, enviando solicitação!

Aguarde, enviando solicitação!